entrevistas

#LeiaUmNacional - Entrevista com Thais Lopes

agosto 14, 2015

Olá humanos!

E aqui vamos nós com mais uma entrevista. A autora da vez é a poderosíssima de cabelo roxo e que fala para caramba: Thais Lopes! Escreveu / está escrevendo as séries O santuário da morte e As crônicas de Táiran. Conheça o primeiro livro de cada série:

Sinopse: Um anúncio de aluguel faz com que Lucio, um vampiro caçado pelo primogênito de sua raça, conheça Kelene. Mas ela não é apenas uma jovem humana, da mesma forma que Lucio não é um vampiro qualquer.

O que Kelene não imaginava era que Lucio estivesse ligado a uma figura de seu passado, e que uma armadilha antiga estivesse de volta.
O que Lucio não esperava era que Kelene fosse a arma que precisavam para destruí-lo, ele que estava além da própria Morte.
Quando a verdade começa a vir à tona, não há como fugir. As respostas estão no passado, entre as memórias proibidas de Lucio e os segredos que transformaram Kelene no que ela é. Mas o que alguém pode fazer quando a própria Morte está ameaçada?

Sinopse: Desde sua criação, ninguém atravessara os portões do Reino C'erit. Ninguém sabia o que acontecia por trás deles, ou qual havia sido o destino das pessoas que, tempos atrás, haviam se isolado ali para construir um novo lar. Por isto, até mesmo os Guardiões se surpreendem com a chegada de uma mensagem.
Quando a Arqui-Guardiã Aíla é enviada em resposta ao chamado, ela não faz ideia do que vai encontrar. Mas nem mesmo uma vida inteira na cidade-fortaleza dos Guardiões poderia prepará-la para o que precisará enfrentar: traição, uma nova ameaça à Ordem, e um homem capaz de abalá-la.


Mineira do interior, Thais Lopes cresceu entre livros. Desde criança, cria histórias e mundos fantásticos. Seu primeiro livro publicado foi O Ciclo da Morte, uma fantasia urbana ambientada no Brasil. Atualmente mora em Belo Horizonte com seus dois gatos.

Sempre divertida e faladeira, Thais fala um pouco mais sobre ela e seus livros e nessa entrevista vocês ainda vão descobrir algumas curiosidades. Confira:

1- Hey Thais! Primeiramente, obrigada por aceitar dar essa entrevista. Fale um pouco sobre você e o que gosta de fazer nas horas vagas.
Nos últimos tempos eu nem sei muito bem o que são horas vagas hahahaha Mas quando tenho tempo ele se divide em três coisas básicas: amigos, livros e música, sempre. Leio em qualquer tempo livre, alugo o ouvido dos vizinhos com minha cantoria e vou me divertir com os amigos.

2- Sobre seus livros, fale um pouco sobre eles, como foi escrevê-los? Como surgiram as ideias?
Escrevê-los sempre é uma loucura rsrs Até hoje não entendi porque cismei de escrever em primeira pessoa, isso só serve pros personagens me deixarem louca. As ideias vêm de qualquer lugar... O Ciclo da Morte começou com um telefonema, Sentinela começou porque eu precisava resolver uma coisa que não fazia sentido na linha do tempo do mundo (sim eu fiz uma linha do tempo) e acabou crescendo por causa de uma música (link no final da entrevista).

3- Quando e por que você decidiu ser escritora? Teve alguma influência ou inspiração?
Não teve um momento de "decidir". Eu leio muito e escrevo desde bem nova, só que escrevia para mim, essa coisa de escritor era totalmente fora da minha realidade. Até que meu pai achou meus cadernos com história e inventou de tentar publicar. Óbvio que isso não deu certo (eu tinha 12 anos), mas a ideia meio que ficou plantada na minha cabeça. Quando já tinha me mudado para BH criei coragem de mostrar meus escritos para alguns amigos e eles começaram a colocar pressão para eu mandar para editora e etc e etc. Aí que resolvi que ia tentar e ver no que dava. Mas não teve um momento ou um motivo específico... Foi mais um "OK, já que tem uns doidos que gostaram do que escrevi, vamos tentar, vai que mais gente curte." Eu tenho um zilhão se influências e inspirações, coisas que às vezes só percebo lendo depois. A série Santuário da Morte teve muita influência da série Hollows, de Kim Harrison e da série Dark Forgotten, de Sharon Ashwood, além de várias outras séries de fantasia urbana que tinha conhecido na época. Crônicas de Táiran teve influências da série Darkover, de Marion Zimmer Bradley, e de várias séries de romance paranormal, como Psy-Changeling e Guild Hunter (Nalini Singh), Iron Seas e Guardians (Meljean Brook) e Darkest London (Kristen Callihan).

4- Qual a maior vantagem e a maior desvantagem ou dificuldade de ser escritor?
A vantagem são as pessoas que eu conheci e sempre conheço no meio. Fiz muitos amigos e conheci muitas pessoas fantásticas depois que publiquei o primeiro livro.
Divulgação. Divulgação. Divulgação. Já falei divulgação? Essa coooooom certeza é a maior dificuldade: ser vista. Tem muitos autores por aí, muita gente boa lutando para conseguir espaço. Sempre vejo todo mundo com o mesmo problema. É difícil atingir o público, e a gente sempre tem que estar pensando em novas formas de fazer isso. Agora, desvantagem... Não poder excluir todas as solicitações de amizade de gente que não conheço rsrsrs nunca se sabe se é outro autor, blogueiro, leitor, alguém que me viu em show e etc... Ou algum doido kkkkkkk

5- Como foi toda essa fase da publicação? Foi difícil conseguir uma editora?
Foi uma coisa insana. Foram 3 anos mandando para editoras, esperando resposta e trabalhando mais no livro quando alguém apontava alguma coisa que podia ser mais bem trabalhada. Fui aprovada por aquelas editoras habituais, mas não tinha como pagar os valores pedidos. E eu sou uma pessoa chata e sistemática com minhas coisas, já tinha uma visão clara do que queria para o Ciclo em questão de capa (seguindo o "padrão" de capas de fantasia urbana sim) e já estava percebendo que ia pagar caro nessas editoras para não ter exatamente o que queria. E nesse meio tempo comecei a pesquisar valores para publicação independente, pensando em fazer tudo por conta própria (e eu tenho a vantagem de não ter custos com capa e diagramação, além de ter desconto na revisão, por causa de uma parceria). Aí percebi que sairia mais barato fazer eu mesma sim, e me joguei nisso. Fui pedir ajuda para um amigo que já tinha publicado anos atrás, e que tinha criado uma editora para poder lançar os livros dele do jeito que queria também. O resultado foi que, ao invés de ele me ajudar a publicar acabamos fechando uma parceria e eu me juntei a ele na Senhor da Lenda.

6- Você já pensou em mudar algo no seu livro depois de publicado?
Jáááááá!!! Na verdade, tenho vontade de reescrever o Ciclo todo (de novo). Vivendo e aprendendo, não é? Hoje vejo vários "erros" e coisas que poderiam ter sido mais trabalhadas. Quem sabe um dia rsrsrs Porque você lança o primeiro meio que na empolgação. Depois que percebe o que deixou passar hahaha

7- Como leitora, qual seu gênero favorito?
Fantasia! Nos últimos anos ainda posso especificar mais e falar fantasia urbana. Conheci o gênero e viciei.

8- Se seu livro fosse adaptado para o cinema, como você reagiria?
Meu surto ia fazer a diversão de todo mundo que me conhece por um bom tempo. Provavelmente sairia aos berros por aí ou alguma coisa do tipo kkkkkk

9- Tem algum personagem que você se identifica? (Do seu livro ou de qualquer outro) Por quê?
Dos meus personagens, não (mesmo que tenha gente que ainda insista em falar que a Kelene é meu alter ago. Só não.). Mas me identifico bastante com a louca da Rachel Morgan (série Hollows), por causa do jeito que ela vai e faz as coisas na cara e na coragem (e às vezes dão problema no final, mas faz parte haha), e também por causa da lealdade dela para os amigos.

10- Como é sua relação com os leitores? Já passou por algum momento que tenha te marcado/te surpreendido?
Minha relação é tipo "qualquer coisa me berra no facebook ou no whatsapp" rsrsrs eu amo quando o pessoal vem falar que leu, e isso quase sempre rende muuuuuita conversa além do livro (nem deu pra ver que falo muito, né?). Não diria um momento que me marcou, mas sim vários... Toda vez que alguém vem com um "oi, li seu livro" ou um "quero ganhar seu livro no sorteio" e coisas do tipo hahaha isso pra mim sempre é surpreendente, e sempre marca.

11- Tem algum projeto para o futuro? Algum novo livro em andamento? Alguma data de lançamento já?
Bom, levando em conta que estou com duas séries em andamento... Haha Vigilante (Crônicas de Táiran livro 2) sai em janeiro/2016. Fios de Medo (Santuário da Morte livro 3) sai em agosto/2016, e mais dois contos em algum momento antes disso. Além disso tem Nilue, que pretendo começar a postar no wattpad logo após a Bienal do Rio.

12- Como autora, qual seu maior sonho?
O sonho maior é conseguir visibilidade para o meu trabalho, "estourar" mesmo.

13- Um livro que você gostaria de ter escrito.
Magic Breaks, de Ilona Andrews. Acho que nunca surtei, fiquei agoniada, berrei e ri tanto em um livro.

14- Se você pudesse mudar o final de algum livro, você mudaria? Qual? Por quê?
Até hoje, não mudaria nenhum final. Mesmo xingando alguns finais, no fim das contas entendo a necessidade deles.

15- Existem muitos novos autores nacionais hoje em dia. Tem contato com algum? Se sim, como é sua relação com eles? E o que você acha da literatura no Brasil atualmente?
Tenho contato com vários rsrs Alguns já viraram amigos ou companheiros de zueira no facebook. Outros só converso uma vez ou outra quando tenho alguma coisa de divulgação para chamar eles também. A literatura nacional está em um momento muito bom e muito fértil, mas também muito complicada. Temos várias editoras que na verdade funcionam como gráficas, sem oferecer uma preparação real dos livros que publicam, entre outros problemas envolvendo editoras. E também temos autores que não estão dispostos a ouvir nenhum tipo de crítica e só querem ver o livro publicado pra ontem. Mas, mesmo assim, acho que estamos em um momento muito bom. Se são muitos autores é porque existem muitos leitores apoiando a gente. E se são muitos leitores é porque conquistamos um certo espaço - alguns anos atrás pouquíssimos blogs aceitavam fazer resenhas de nacionais e independentes, por exemplo. Então estamos sim em um ótimo momento.

16- Você tem algum conselho para quem está começando e sonha em publicar um livro?
Paciência, sempre. Pesquisar boas alternativas de publicação é demorado. E trabalhar a história é mais demorado ainda. Não tenha pressa.

17- Para finalizar, deixo esse espaço livre para você mandar uma mensagem para seus leitores e o que mais quiser, fique à vontade!
Para todos os loucos que leram meus livros, blogueiros e pessoal que apoia e ajuda os autores nacionais, muito obrigada a todos vocês, e continuem assim! Haha E como já falei em uma das perguntas, qualquer dúvida, comentário ou vontade de conversar à toa é só me gritar no face haha.
Muito obrigada!

Eu é que agradeço 

Curiosidades:

- Além de escrever, a autora também canta! 
- A música citada na entrevista que ajudou na criação de Sentinela é de uma banda composta por amigos da própria autora, chamada Ruins of Elysium. Link desta música cantada pela própria Thais: http://bit.ly/1J5FOzQ 
- A modelo da capa de O ciclo da morte, inclusive, é a ex-baterista desta banda.
- Drake, vocalista da banda, virou personagem em Herança de Fogo.
- Thais ama gatos.

Por hoje é isso! Espero que tenham curtido saber um pouco mais sobre Thais Lopes, seus livros e também das curiosidades. Em breve resenha de O ciclo da morte no blog! Se interessou por algum livro? Não perca tempo #LeiaUmNacional.

Que a força esteja a seu favor! Não se esqueça de clicar em SEGUIR na coluna da direita do blog em "SEGUIDORES" e também de nos acompanhar nas nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | Twitter | Youtube
Obrigada por tudo! Volte sempre! #desaparatei

0 comentários

ASSISTA AOS VÍDEOS DO NOSSO CANAL E SE INSCREVA!